HIPOTONIA TECIDULAR – FLACIDEZ CUTÂNEA

sem título 2A hipotonia tecidular, deve-se ao relaxamento da pele, causada pela perda de elasticidade e firmeza do tecido cutâneo. Fenómeno extremamente difundido,  que se caracteriza por perda da tonicidade muscular, ou pelo relaxamento do próprio tecido cutâneo. Embora muitas vezes os dois transtornos tendem a ocorrer simultaneamente.

Ao contrário da hipotonia do tecido muscular, que tem a sua origem, principalmente, com o  passar dos anos, a nutrição inadequada, a perda de peso, a oxigenação pobre, dos tecidos devido à falta de atividade física, estilo de vida incorreto e fatores ambientais, há também casos, no entanto, de hereditariedade de tecido  hipotónico, em que a espessura excessiva da pele, conduz a cada vez mais a evidenciar,  esse problema inestetico
Quer herdada ou adquirida, é ainda um complexo defeito, muitas vezes não fácil de resolver, que por sua vez, requer ação imediata, com produtos específicos,  exercício, alimentação adequada e dedicação, desempenha um papel fundamental, quer em elasticidade, prevenção ou recuperação comprometida.

Atuar  diretamente sobre o estrato córneo, aumentar a coesão de cornócitos de modo a manter o equilíbrio de hidratação e regularidade nas trocas com o exterior, estimular os fibroblastos para produzir colágeneo é fundamental. Além disso, é ao mesmo tempo essencial,  aumentar o volume de células, que promovam  rapidamente a  renovação da camada basal.

Hipotonia –  áreas de risco: são muitas as áreas  em risco, devido a hipotonia ser uma degeneração rápida dos tecidos. Entre estas, as mais afetados, são sem dúvida, a parte interna das coxas e braços, quadris, seios, abdómen e nádegas. Para cada uma delas,  existem  produtos   direcionados  ao problema, que respeitam o equilíbrio natural da pele e  desempenham ao mesmo tempo, um resultado decisivo e eficaz.

Deixar uma resposta