O que é a Hidrolipodistrofia (Celulite)

A Hidrolipodistrofia (Celulite) pode ser definida como uma alteração patológica da hipoderme (Lipodestrofia), com presença de edema (Hidro) e com função veno-linfática alterada. Adota-se o termo Hidrolipodistrofia, que descreve em parte a fisiopatologia, onde ocorre alteração do tecido gorduroso, em presença de edema intersticial. O termo Celulite, apesar de não apropriado, vem sendo utilizado em publicações internacionais e vai ser utilizado neste texto.

Para melhor compreendermos a formação da celulite, temos de levar em consideração as diferentes camadas que formam a pele.

A pele é caracterizada por 3 camadas de tecidos sobrepostas: epiderme, derme e hipoderme.

  • A primeira é a mais superficial e tem a função de revestimento e proteção, ao passo que as outras desempenham uma função de suporte e nutrição.

  • A epiderme que é constituída por 5 tipos de células, que se deslocam desde o interior até à superfície, vão sendo eliminadas pela esfoliação. Esta camada não possui circulação própria, pelo que os nutrientes são adquiridos através da derme.

  • A derme é a camada intermédia, e é constituída por um conjunto fibrocelular. É nesta camada que temos as glândulas sebáceas e sudoríferas.

  • A hipoderme é a camada mais profunda e tem a função de proteger e reservar energia. É nesta camada que se dá o aparecimento da celulite. É aqui também, que ocorrem inúmeros sistemas de reação que permitem o equilíbrio da pele, mas quando há outras alterações anatómicas, esta deixa de funcionar com normalidade, influenciando as outras camadas subjacentes.

Deste modo, a celulite resulta de um conjunto de alterações anatómicas e funcionais e que se desenvolvem a partir do tecido demo-hipodérmico.

Devido à má circulação no tecido adiposo subcutâneo, acumulam-se gorduras, líquidos e toxinas, que associados à perda de elasticidade, provocam a alteração inestética conhecida por “pele tipo casca de laranja”. Mas a celulite não é somente um problema estético, é quase sempre acompanhada de sensibilidade dolorosa e insuficiência venosa. Este fenómeno inflamatório, verifica-se nas ancas, coxas, barriga, braços e nádegas.

A celulite e a acumulação de gordura localizadas são problemas que afetam sobretudo as mulheres, porque têm maior percentagem de massa gorda. Por norma estes problemas surgem devido à ingestão abundante e incorreta de alimentos, à obstipação, à adoção de posturas corporais incorretas, como cruzar as pernas, à ingestão de álcool e ao sedentarismo. Mas também se devem a desequilíbrios hormonais, a gravidez ou ao uso de pílulas anticoncecionais, bem como a predisposição hereditária e a alterações enzimáticas.

No entanto, a celulite pode surgir tanto em mulheres com excesso de peso, como com a linha ideal. Sendo nestas últimas mais superficial.

O desenvolvimento do efeito “casca de laranja”, está relacionado com as forças exercidas pelas fibras que ligam a hipoderme, camada mais profunda da pele, onde se localizam os adipócitos (células que acumulam gordura), às camadas de tecido mais profundas. Estas ligações repuxam a pele para o interior dando o aspeto irregular característico. Quando há obesidade associada, o desenvolvimento da celulite é potenciado.

Se está interessada em tratar a celulite, aconselhamos-lhe que opte por um local que tenha os pontos abaixo indicados, para evitar insucessos e custos desnecessários:

Uma avaliação pormenorizada ao problema.

Uma explicação sobre o mesmo e como deveram atuar. (A celulite passou por várias fases para estar visível, afim de obter bons resultados e duradouros o percurso deve ser invertido)

Numero de sessões previsto.

Alteração alimentar.

Avaliações periódicas ao resultado.

Obter resultados na celulite, não é uma questão de sorte, mas sim de profissionais certos.

Artigo escrito por Estetigest      –      Para mais informação, contacte-nos através: Dr Eu

Os comentários estão fechados.